quarta-feira, 10 de agosto de 2011

PAI É PAI! MÃE É MÃE!

A palavra pai só ganhava o seu encanto quando se referenciava a Deus. Quem já não ouviu alguém dizer: ¨meu Deus, meu pai, me proteja!”, “Deus, meu pai me abençõe”, ¨Ó pai eterno me ajude”. Fora desse contexto, o pai era tido como sendo o homem, o forte, o “brabo” e até mesmo representava a figura do medo para alguns filhos. Lembro-me que até já ouvi de alguns filhos, (não dos meus) na disputa da morte entre o pai e a mãe batiam o martelo dando preferência à sepultura para o pai, era um desprezo, parecia uma coisa cultural. A mãe sim é quem merecia ter todas as honras do mundo. Era a santa e poderia até ser comparada com Nossa Senhora. Quem não a comparava e ainda compara, hein!

Lembro-me, quando criança, de um versinho popular que dizia: “carrego papai no bolso e mamãe no coração”. Ora, carregar no bolso alguma coisa nada mais era do que ser descartável. Será que era porque o dinheiro anda no bolso? Poderia deixar papai em qualquer lugar. Observe que geralmente quem tem bolso era o filho. Imagine que a filha não carregava o pai em lugar nenhum...

Quantas vezes qualquer ato falho cometido pelos filhos vinha sempre acompanhado com as frases: “Vou falar para o seu pai”; “Fique quieto que seu pai vai chegar”; “Seu pai vai lhe bater”. Por que isso? Porque o pai era o bicho papão. Com isso, reforçava-se mais ainda que o pai fosse o repressor.

Até o chamado Dia dos Pais, contendo apenas no calendário como sendo o segundo domingo do mês de agosto, era como se fosse um dia qualquer, sem homenagens, sem referencial, inclusive nas propagandas da mídia que ao se referirem aos presentes para os pais era tão sem vida...

Até mesmo no espaço familiar já presenciei a mãe dizendo para os seus filhos: “ vamos comprar um “presentinho” para seu pai, qualquer coisa tá bom, ele não liga muito pra isso mesmo”. E em algumas escolas era até falado desse dia, mas sem nenhuma expressão. Interessante é que a figura do pai nunca estava relacionada a nenhuma divindade e santidade.

O filho, por sua vez, era instigado e carregava um sentimento de que o poderoso chefão era o valente, mas mesmo assim não comparava o seu pai a nenhum santo e nem mesmo um São Jorge que se apresentava montado num cavalo e com uma espada matando o dragão. Não tinha nada de santo.

Mas as coisas foram mudando, não sei na cabeça de alguns filhos, já ouvi até essa afirmativa: “pai é pai e mãe é mãe”, isso vinha a fortalecer o fato de que cada um tem o seu espaço especial no coração do seu filho. Não sei com que intensidade e grau de sentimento.

O ser pai nos dias de hoje tomou outro rumo na consciência dele mesmo e na vida de seus filhos. Quantos pais antes de sair para trabalhar contemplam e buscam o seu filho para beijá-lo? Quantos pais antes de sair de casa já deixam o alimento pronto para seus filhos?Quantos pais compõem músicas de ninar para seus filhos adormecerem, sentindo o afago dos seus braços e a batida de seu coração? Quantos pais com saudades de seus filhos pontuam uma lágrima solitária escorrendo pelo rosto? Quantos pais sorriem lembrando-se de uma graça feita pelos seus filhos e preocupam-se com o seu bem estar? O pai que olha nos olhos de seu filho e o chama de filho amado; o pai que chora, compartilha e que canta para alegrá-lo e que não representa mais o cifrão e nem o temeroso, mas sim um homem frágil com sentimentos que inundam a alma.

A máscara colocada no rosto do pai por algumas pessoas inconsequentes foi retirada. A competição estabelecida entre o pai e a mãe sobre quem é o “melhor” e o “pior” foi diluída com o tempo e com as ações. Assim, o ser pai flui entrelaçado na convivência, no amor e no respeito dos seus filhos.

Não carreguem papai no bolso, porque o seu coração de filho é enorme!

Feliz Dia dos Pais!

Profº MSc. Celso Almeida de Lacerda

5 comentários:

Heitor Lima disse...

Viva Dia dos Pais!!!! Muito bonito o texto. Quem é pai já passou por esse processo. Vc foi fundo Amigão.
Parabéns!

Heitor Lima
Mato Grosso

Vinicius disse...

É companheiro já ouvir alguem dizer esse pai é uma mãe. Isso não existe.Pai é Pai e Mâe é Mãe. Quem quiser que procure ser bom pai e boa mâe. Eu mesmo conheço mães péssimas e não pense que são mulheres sem conhecimento não, são até estudiosas, mas tratam seus filhos com indiferentes.Foi até bom elas saírem para trabalhar pelo menos não ficam em casa para falarem mal do pai e ai muitas delas não conseguem nem ser essa mãe é um pai. PARABÉNS PAPAI! E PARABÉNS PARA NOS QUE SOMOS ESSE PAI É PAI.
VINICIUS - PIAUI
ABRAÇÃO AMIGO. PARABÉNS

Gaby Lacerda disse...

Pai, adorei o texto. Te amo muito e quero matar as saudades. O senhor é o meu Paizão! Beijo grande!!!

joelma disse...

Bom texto. Parabéns

Joelma - Rio de Janeiro

Carool disse...

É uma pena a realidade de que se cultua em poucas famílias o pai amoroso, o braço forte, o conselheiro, o amigo... Porque quando o homem se faz um pai de verdade as recompensas são inigualáveis.
Deus me abençoou em ter um Pai nota 1.000!
Adorei o texto
=)